quinta-feira, março 02, 2017

Viciados em reclamar

Não sou especialista, mas tenho pra mim que a reclamação pode virar doença. Gente que resmunga, critica e só vê pontos negativos deve sofrer de algum distúrbio. Eu chamo isso de “viciados em reclamar”.

Para alguns, o silêncio é tão ensurdecedor que preferem preencher esse espaço com comentários críticos. Fazem questão de deixar muito claro o quanto estão cansados, o quanto o dia está quente e o quanto terão que trabalhar essa semana. Pra quem ouve, é como rasgar os tímpanos. Não há utilidade nas reclamações banais, a não ser enfadar o ouvinte. E para quem reclama, é claro, sobra mais e mais insatisfação.

Não é que a gente vá viver satisfeito com tudo, porque não dá mesmo. É chato acordar cedo demais, é difícil aturar o chefe e alguns familiares, o verão está cada vez mais quente. Mas, reclamar disso não torna as coisas diferentes. Então, pra quê?

No dicionário, o significado de reclamação é a ação de reclamar. Queixar-se, reivindicar um direito, um protesto. Se opor através das palavras. A reclamação nos serve quando nos sentimos injustiçados e é para isso que devemos usar.

O grande problema dos viciados em reclamar é a toxidade deles. É a capacidade de multiplicar a sua insatisfação aos que estão perto. Se não estivermos atentos, absorvemos o stress alheio a troco de nada. É epidêmico.

Não sei se existe uma fórmula para “curá-los”. É preciso que eles olhem a vida com outra lente e que percebam que as coisas só têm a proporção que a gente dá. Se dermos peso demais às questões rotineiras, a vida se torna um martírio e a gente se afunda nela.

Aos que se identificaram no texto, peço que se observem. Pelo bem dos ouvintes e em prol da convivência humana. Ainda dá tempo. Há coisas maiores para a gente protestar.

Stéphanie Waknin

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...